1 de novembro de 2010

Perdoa!



— Por que você está fazendo isso?
Ela me olha aflita e logo desvio o olhar, não posso mais continuar.
— Por quê? Por favor, me dê um motivo... Eu preciso entender. - ela continua.
— Não consigo conviver com isso...
— Mas eu já te perdoei e tenho certeza que o Senhor também, por que você não consegue fazer o mesmo?

Não consigo encará-la, ainda pesa sobre mim uma vergonha bruta, uma vontade de sumir da vida dela e nunca mais aparecer novamente. Sinto-me insignificante, porque tudo o que eu mais prezava eu desprezei. Eu agi por impulso, deixei o meu corpo me comandar, perdi o controle, magoei a pessoa que eu mais amo, que eu pretendia casar e formar uma família. A menina dos meus sonhos, tão educada, amável, que esteve ao meu lado durante todo esse tempo, me ajudando e fazendo de mim um homem. Com ela eu aprendi a valorizar as coisas simples, a honrar meus pais e amigos e ela até me ensinou a fazer bolo de cenoura. Acima de tudo, ela foi uma grande irmã em Cristo, sempre cantando louvores, me convidando para orarmos juntos e sem esquecer, dos versículos que ela me mandava por SMS que sempre serviam de refrigério pra mim. É difícil encontrar defeitos explícitos nela.

Naquele dia ela estava ainda mais radiante, tinha as bochechas coradas porque no dia anterior tinha ido à praia com as amigas. Eu não sabia como dizer, me torturava pensando de que modo começar, enquanto ela falava rindo, do quão divertido foi o passeio que fez. Em algum momento ela percebeu minha tensão e me perguntou se algo havia acontecido.
Confessei. Enquanto falava, buscava não olhar nos olhos dela, mas isso acontecia por vezes e pude ver sua feição se entristecer.
Eu a traí, e não foi apenas um beijo, me deitei com uma mulher. Uma amiga, que ela conhecia, que conhecia até demais.
Quando ela começou a chorar, eu parei de falar. Foi a pior dor que eu já senti, e a imagem dela chorando e os sons de seus soluços me atormentam até hoje. Não posso continuar ao seu lado, ela não me merece.

— Você nunca vai entender...
Sinto rolar uma lágrima sobre meu rosto. Levanto-me, vou até a janela e levo as mãos ao rosto.
Há um silêncio, que logo é interrompido.
"Tem misericórdia de mim, ó Deus, segundo a tua benignidade; apaga as minhas transgressões, segundo a multidão das tuas misericórdias..."
Ela começa a ler a bíblia, e meu coração parece apertar, minhas lágrimas agora jorram, não posso suportar.
"Lava-me completamente da minha iniqüidade, e purifica-me do meu pecado. Porque eu conheço as minhas transgressões, e o meu pecado está sempre diante de mim.”
Sinto sua voz mais alta e mais perto de mim.
"Contra ti, contra ti somente pequei, e fiz o que é mal à tua vista, para que sejas justificado quando falares, e puro quando julgares. Eis que em iniqüidade fui formado, e em pecado me concebeu minha mãe. Eis que amas a verdade no íntimo, e no oculto me fazes conhecer a sabedoria. Purifica-me com hissope, e ficarei puro; lava-me, e ficarei mais branco do que a neve.”
Meu Deus, que dor! O que está havendo comigo?
Ela se aproxima, coloca-se na minha frente e segura minha mão.
"Faze-me ouvir júbilo e alegria, para que gozem os ossos que tu quebraste. Esconde a tua face dos meus pecados, e apaga todas as minhas iniqüidades. Cria em mim, ó Deus, um coração puro, e renova em mim um espírito reto."
— Me perdoa, Senhor! - clamo. — Pai, retira de mim essa dor! Cria em mim, meu Deus, um coração puro! — Me perdoa, Pai!
"Não me lances fora da tua presença, e não retires de mim o teu Espírito Santo."
— Oh, Espírito Santo, meu Consolador! Misericórdia de mim, meu Pai!
Enquanto ela lê, eu sinto o Senhor agindo, como se estivesse puxando do meu coração todo o sofrimento e toda a dor que eu guardava aqui.
"Torna a dar-me a alegria da tua salvação, e sustém-me com um espírito voluntário. Então ensinarei aos transgressores os teus caminhos, e os pecadores a ti se converterão. Livra-me dos crimes de sangue, ó Deus, Deus da minha salvação, e a minha língua louvará altamente a tua justiça."
— Aleluia! Tu És Maravilhoso, Pai! Deus Misericordioso!
"Abre, Senhor, os meus lábios, e a minha boca entoará o teu louvor. Pois não desejas sacrifícios, senão eu os daria; tu não te deleitas em holocaustos. Os sacrifícios para Deus são o espírito quebrantado; a um coração quebrantado e contrito não desprezarás, ó Deus."
Continuo a clamar, engrandecer o nome de Cristo e agradecê-lo pelo perdão. Sinto-a segurando minhas mãos e ouço sua oração.
Aleluia, Pai! Tu És Senhor! E eu confio somente em Ti!
Abro os olhos e a abraço, ela chora e me abraça forte.
— Você me perdoa?
Ela levanta o rosto a mim, seus olhos não param de derramar lágrimas e abre um sorriso lindo.
— Eu te perdôo com todo o coração, confie em mim, você só deve se perdoar agora...
— Eu confio e acredito em você. E também me perdôo.
Continuamos abraçados, e em meu coração já sinto um novo viver.
Salmo 51.


"Escondi a tua palavra no meu coração, para eu não pecar contra ti." (Salmos 119:11)

Que Deus te abeçoe, irmão!
Beijo e queijo,
Renata Flávia.

_
vídeo editado em 2 de Novembro de 2010.

Comentário rápido: