15 de janeiro de 2011

Eu, protagonista.


A seção Eu, protagonista traz histórias reais que ouço, de convívio, problemas, evangelismos, vitórias; que são tão simples e tão práticas que o nome do personagem principal nem é exposto, pois o protagonista pode bem ser eu ou você.

“Eu não vou abrir mão. Eu errei, mas você não merece minhas desculpas, não depois do seu próprio erro. E por que eu teria que me redimir? Esse sempre é o meu papel, mas cansei dessa novela. Nós nunca fomos realmente amigas, você nunca confiou de verdade em mim e eu vou fazer de tudo pra me livrar da dependência de você.” 

― Não acredito que você escreveu isso pra sua mãe... – Camila me olhava perplexa.
― Escrevi. E deixei na porta do guarda-roupa dela. ­­
― Onde você estava com a cabeça? – Camila estava pasma, largou os talheres e ficou me olhando.
― No mesmo lugar de sempre. E exatamente por isso que eu cansei. Eu nunca dei motivos pra minha mãe se estressar comigo e parece que ela vive pra fazer isso, me deixar atordoada, chateada, pra baixo...  É um inferno! Tudo que eu faço não é bom o bastante... Ela não vê o meu esforço pra acertar, ela simplesmente ignora as minhas tentativas e depois vem falar que eu não coopero. Não sei o que ela faz na igreja... Eu cansei, sabe. Vou morar com minha avó.
― Está maluca? Sua avó mora há milhas e milhas daqui... Você não percebe que sua mãe tem que se dividir em cinco? Ela faz o papel de mãe, de pai, trabalha fora e também é dona de casa, ainda cuida do seu irmão e de você...
― Onde que ela cuida de mim? Eu me viro sozinha. Minha mãe nunca está perto quando eu preciso.
― Você que pensa. Ela está perto quando te dá todo dia 15 reais pra você comer aqui no restaurante e não lá no refeitório imundo e também está bem perto quando te liga exatamente as 15h25 pra te lembrar do remédio...
― Esse é o papel de toda mãe, Camila. Se ela não me bancar, me der de comer e me medicar ela vai presa. 

Camila riu e me disse amigavelmente: ― Você está sendo egoísta.
Revirei os olhos. ― Você diz isso porque tem uma mãe incrível, Camila. Sua mãe é paciente, compreensível e o melhor, é mente aberta. Minha mãe é exatamente o contrário!
― Minha mãe tem lá seus defeitos também, tá!
E eu bem iria acreditar. Na verdade, eu só não trocaria minha mãe pela da Camila, porque o que eu passo eu não desejo nem pro meu pior inimigo, quanto mais minha melhor amiga. 

Naquele dia cheguei em casa bem tarde, pra ter ceterza que não a encontraria acordada e não encontrei. Ela já tinha posto meu irmão pra dormir e também estava dormindo.
Larguei minha mochila na cama e avistei em cima do meu travesseiro um bilhete.

"Eu te amo muito e queria que você soubesse que eu também erro, como dessa vez. Me perdoa. Eu sei que não tenho sido uma boa mãe pra você e seu irmão, mas saiba que eu os amo demais. Peço a Deus a cada dia pra que vocês sejam abençoados e não paro de pensar um só minuto em vocês. E você é a minha bonequinha, o sonho da minha vida era ter uma filha e o Senhor me deu esse presente. Filha, você é meu orgulho e meu amor. Eu só te peço mais uma chance de ser uma mãe melhor, a gente pode tentar?
Muitos beijos, da sua mãe."

Fui até o quarto dela, dei um beijo em seu rosto e sussurrei: "Me desculpa, eu te amo." 

Comentário rápido:

1 comentários:

Olá estou aqui amogo(A) para divulgar o meu mais novo blog peço que visitem e para garotas evangelicas !!! já estou segundo o seu !!! me ajudem a divulgar pois estamos aui num só propósito e numa só fé FALAR DA PALAVRA DE DEUS
sigam,visitem comentem! http://operfildetodacrista.blogspot.com
criei hoje!
Deus Abençoe!