5 de abril de 2011

Quando ter tudo é não ter nada.

"Pensei comigo mesmo: Vamos. Vou experimentar a alegria. Descubra as coisas boas da vida! Mas isso também se revelou inútil.
Decidi-me entregar ao vinho e à extravagância; mantendo, porém, a mente orientada pela sabedoria. Eu queria saber o que valesse a pena, debaixo do céu, nos poucos dias da vida humana.
Lancei-me a grandes projetos: construí casas e plantei vinhas para mim.
Fiz jardins e pomares, e neles plantei todo tipo de árvore frutífera.
Construí também reservatórios para regar os meus bosques verdejantes.
Comprei escravos e escravas e tive escravos que nasceram em minha casa. Além disso tive também mais bois e ovelhas do que todos os que viveram antes de mim em Jerusalém.
Ajuntei para mim prata e ouro, tesouros de reis e de províncias. Servi-me de cantores e cantoras, e também de um harém, as delícias do homem.
Tornei-me mais famoso e poderoso do que todos os que viveram em Jerusalém antes de mim, conservando comigo a minha sabedoria.
Não me neguei nada que os meus olhos desejaram; não me recusei a dar prazer algum ao meu coração. Na verdade, eu me alegrei em todo o meu trabalho; essa foi a recompensa de todo o meu esforço." (Eclesiastes 2:1-10)

"Há alguns anos atrás eu sonhava em ter uma casa bonita, grande com piscina, arborizada onde eu pudesse receber meus amigos e compartilhar das coisas de Deus com eles.
Um belo dia Deus me concedeu morar numa casa assim. Mas em quase 2 anos vivendo nessa casa, só me recordo de ter entrado na piscina umas 5 vezes e meus amigos nunca foram me visitar porque eu morava longe deles; ou seja; a maioria de nós pedimos coisas ao Senhor que não necessitamos ou que não vamos tirar todo proveito que poderíamos."
Meire Sanchez, Pentecostal (Tampa/Florida/EUA)

"Contudo, quando avaliei tudo o que as minhas mãos haviam feito e o trabalho que eu tanto me esforçara para realizar, percebi que tudo foi inútil, foi correr atrás do vento; não há qualquer proveito no que se faz debaixo do sol.
Então passei a refletir na sabedoria, na loucura e na insensatez. O que pode fazer o sucessor do rei a não ser repetir o que já foi feito?
Percebi que a sabedoria é melhor que a insensatez, assim como a luz é melhor do que as trevas." (Eclesiastes 2:11-13)

É notório o aborrecimento de Salomão no capítulo 2 de Eclesiastes. Um homem rico, poderoso e que tinha tudo, menos a felicidade.
E ele tentou de todas as formas que o mundo poderia oferecer: bebendo, ajuntando riquezas, tendo várias mulheres...
Mas nada o preencheu. 
Como sábio percebeu que não são as riquezas desse mundo mais importantes e elas não vão nos proporcionar uma eterna felicidade. Isso não quer dizer que vamos viver de miséria, Deus nos conhece, já veio ao mundo como homem e sabe de nossas necessidades. 
"Para o homem não existe nada melhor do que comer, beber e encontrar prazer em seu trabalho. E vi que isso também vem da mão de Deus." (Eclesiastes 2:24)
Mas o que vem da mão de Deus é o que enche nossos corações, é a medida perfeita.
Embora muitos de nós despreze a medida do Senhor, porque os olhos estão cobertos de cobiça, amor ao dinheiro, fama, vangloria.
"Ao homem que o agrada, Deus recompensa com sabedoria, conhecimento e felicidade. Quanto ao pecador, Deus o encarrega de ajuntar e armazenar riquezas para entregá-las a quem o agrada. Isso também é inútil, é correr atrás do vento." (Eclesiastes 2:26)

Se você leu esse post todo não pode deixar de conferir também esses dois estudos super bacanas sobre o assunto:
O trabalho de juntar e colecionar 


Que Deus te abençoe.
Beijo e abraço,
Renata Flávia.

Comentário rápido:

0 comentários: